The Flash - 5ª temporada - Ah! E por falar nisso...

segunda-feira, 3 de junho de 2019

The Flash - 5ª temporada

Foi apenas no ano passado que Barry Allen (Grant Gustin), realmente se tornou o homem mais rápido da terra. Já que Savitar foi seu primeiro grande vilão não velocista. O quinto ao das aventuras de Flash traz sim um novo corredor para a trama, mas continua apostando em vilões com outras habilidades. É outro critério estabelecido que o roteiro da série resolve quebrar desta vez, o dos perigos da viagem no tempo.

Desde a temporada anterior Nora West-Allen, também conhecida pelo alter-ego heróico "XS" (Jessica Parker Kennedy), tem dado as caras no Arrowverse, mas é apenas na mais recente temporada que a jovem diz a que veio. A filha de Barry e Iris (Candice Patton) voltou no tempo para conhecer o pai, tentar evitar seu desaparecimento em um evento conhecido como Crise nas Infinitas Terras e derrotar Cicada (Chris Klein), único dos grandes vilões que escapou do time Flash.

Os mais exigentes, ou mesmo aqueles que acompanham despretensiosamente a série de temática temporal da DC, Legends of Tomorrow, provavelmente passarão a temporada inteira se perguntando como os personagens ficam tão tranquilos com a presença da moça do passado. Isso não bagunçaria a linha do tempo? Ou atrairia os fantasmas da Força de Aceleração? Vale lembrar que o Flashpoint foi criado exatamente do mesmo jeito, com o protagonista tentando salvar a mãe. A presença de XS no passado até tem algumas consequências, especialmente no corajoso desfecho da temporada, mas nada tão alarmante quanto as alterações no tempo anteriores, e que impeça a presença da moça por todo o quinto ano. E não há desculpas ou maiores explicações do roteiro para isso. Dessa vez não dá errado, e os personagens não estão preocupados. Simples assim!

Para aqueles que conseguirem abstrair o fato citado acima, uma dinâmica interessante é criada com a presença de Nora. A moça nunca conheceu o pai e tem um relacionamento complexo com a mãe. Enquanto os recém-casados, sem filhos Barry e Iris, precisam lidar com uma filha que tem quase a mesma idade que eles. Situação estranha, que dificilmente convenceria se mal trabalhada. Mas o roteiro acerta em mostrar a insegurança de pais novatos, a admiração da jovem pelo pai herói, e até a culpa de Iris por erros na criação da filha, que ela ainda nem cometeu. Trabalho que o elenco entrega sem grandes atuações, mas com bastante sinceridade. A escalação de Kennedy também soma pontos, além de realmente parecer fisicamente uma mistura de seus supostos pais, a moça convence com sua inexperiência e empolgação quase adolescentes.

A paternidade surpresa ocupou todo o arco do protagonista e sua parceira. Os coadjuvantes também tem seus arcos próprios, mas muito menos tempo de tela para explorá-los, problema recorrente da produção. É Caitlin (Danielle Panabaker), quem mais tem espaço neste ano. Além do reencontro com seu alter-ego Nevasca, a moça descobre o passado vilanesco de seu pai Thomas Snow/Geada (Kyle Secor). Corrido e muito disperso ao longo dos 22 episódios, a trama entregou menos do que prometia quando apontada no ano anterior. 

Cisco (Carlos Valdes) lida com sua dor de cotovelo após ser abandonado pela Cigana (Jessica Camacho), e além de um novo interesse amoroso, trabalha para uma cura meta. Tema que deve ser melhor explorado no próximo ano, e aqui surgiu como uma das possibilidades para derrotar o vilão da vez.

Ralph Dibny (Hartley Sawyer), passa boa parte da temporada apagado, já que o Wells da vez rouba sua função de detetive. Tom Cavanagh, o camaleão da franquia, da vida a mais uma versão de seu personagem. Sherloque Wells é um detetive caro, cheio de manias que é convocado pois já ajudou a derrotar o Cicada em várias outras Terras do multiverso, mas aqui vai encontrar um vilão diferente, e outros mistérios para pesquisar. Quem ganhou acidentalmente um bem vindo espaço foi Cecile (Danielle Nicolet). A promotora cobriu a falta do marido Joe (Jesse L. Martin, que precisou se ausentar por motivos de saúde), e trouxe ar fresco para a dinâmica de grupo com sua personalidade divertida, e suas habilidades convenientes para o roteiro.

É claro, todos as jornadas de personagens dividem espaço com o vilão da vez. As motivações de cicada até são convincentes, vingança contra todos os meta-humanos, já que sua existência machucou sua família, mas sua composição é caricada e simplista demais na pele de Chris Klein. Quando a nova versão vivida por Grace (Sarah Carter/Islie Hirvonen), há pouco tempo para explorar toda sua raiva, e sua curiosa conexão com Nora.

E por falar em conexões com a XS, é a ligação dela com Eobard Thawne, o Flash Reverso (Cavanagh, novamente) o verdadeiro plano maléfico surpreendente. Entretanto a demora para explorá-lo acaba tirando o fôlego do mistério, que fica interessante apenas nos últimos episódios. O vilão da primeira temporada, que aparentemente nunca é realmente derrotado, é responsável pelo corajoso desfecho de Nora, e também termina a postos para Crise nas Infinitas Terras, o ambicioso crossover entre as séries da DC, programado para a próxima temporada.

Retornos de personagens, como os vilões Bruxa do Tempo (Reina Hardesty), Brie Larvan (Emily Kinney) e Rag Doll (Troy James), e apresentações de humanos com novos poderes, estão entre os pontos altos da temporada. Assim como episódios que brincam com seu próprio formato, como aquele em que Nora volta no tempo dezenas de vezes e do sempre divertido crossover . O episódio de número 100, What's Past Is Prologue, também vale nota ao revisitar temporadas anteriores do programa.

The Flash, assim como toda série de 22 episódios, sofre para preencher tanto capítulos, esticando a trama ao extremo e perdendo um pouco da empolgação no processo. Entretanto, o foco na família neste quinto ano, e a presença de novos personagens como Cecile e Dibny, cria uma dinâmicas novas que mantém o interesse do publico. Assim como o apego aos personagens veteranos, e a falta de vergonha de se assumir como série inspirada em quadrinhos, com poderes absurdos, gadgets impossíveis e uniformes coloridos. Mas é no futuro, que a quinta temporada mais aposta, e não apenas por causa da presença da filha crescida do protagonista. O desfecho deixa livre o vilão principal desta versão para TV, e o cenário montando para novas aventuras e dilemas.

The Flash já foi renovada para a sexta temporada, no Brasil a série é exibida pelo Warner Channel. As quatro primeiras temporadas da série também estão disponíveis na Netflix.

Leia sobre as temporadas anteriores de The Flash e também de outras séries do Arrowverse.

Nenhum comentário:

Post Top Ad