12 vezes que AnnE esteve a frente de seu tempo! - Ah! E por falar nisso...

sexta-feira, 13 de março de 2020

12 vezes que AnnE esteve a frente de seu tempo!

A canção de abertura de Anne with an E, Ahead By A Century da banda The Tragically Hip já anuncia: Anne está um século à frente! Ouso dizer que, seu avanço vai além de cem anos. A série que se passa na década de 1890,  trata de temas que ainda hoje são tabus, sem nunca destoar ou perder fidelidade com a época em que a história se passa.

Essa capacidade de trazer temas atuais, com honestidade e sutileza é um dos muitos motivos pelos quais os fãs amam a série, e renegam seu cancelamento. Resolvi fazer minha parte na campanha, e apontar alguns momentos que AnnE e seus colegas estiveram a frente do seu tempo. Assim você pode mostrar para seus amigos e conquistar mais fãs, ou apenas relembrar momentos incríveis do programa. #SaveAnneWithAnE
O MINISTÉRIO DOS SPOILERFÓBICOS INFORMA
ESTA LISTA CONTÉM SPOILERS DAS TRÊS TEMPORADAS DE ANNE WITH AN E
PROSSIGA POR SUA CONTA E RISCO.

12 vezes que AnnE esteve a frente de seu tempo:


1 - Quando ela apontou que divisão de trabalho por gênero não faz sentido:

“I’m as strong as a boy, and I prefer to be outdoors rather than cooped up in a kitchen. It doesn’t make sense that girls aren’t allowed to do farm work when girls can do anything a boy can do and more! Do you consider yourself to be delicate and incapable? Because I certainly don’t.
“I don’t understand the conundrum. For example, what if, suddenly, there were no boys in the world, none at all.”
— Anne Shirley
"Sou tão forte quanto um garoto e prefiro ficar ao ar livre do que ficar presa em uma cozinha. Não faz sentido que as meninas não tenham permissão para trabalhar na fazenda, quando elas podem fazer qualquer coisa que um garoto faz e muito mais! Você se considera delicada e incapaz? Porque eu certamente não.
"Eu não entendo o dilema. Por exemplo, e se, de repente, não houvesse mais meninos no mundo, nenhum?

É assim, logo no primeiro episódio a protagonista já diz a que veio. Apontando absurdos da época em que vivia quando precisou convencer Marilla de que podia ficar em Green Gables e ajudar nas tarefas da propriedade.

2 - Por que a garota não pode ter a iniciativa?

Segundo a mesma linha de raciocínio, AnnE questiona a necessidade de esperar pelo garoto no "jogo da paquera".  Se quiser beijar um garoto, porque a iniciatica não pode ser dela? As respostas negativas das amigas não foram muito esclarecedoras ou convincentes, ouso dizer.

3 - Uma saia não é um convite!

E por falar em jogo da paquera, tudo tem limites. Ninguém tem o direito de atormentar o outro só porque é um menino. Levantar a saia das meninas é assédio, viu!


4 - Casamento nem sempre é a melhor opção, muito menos a única

Quando descobriu que o futuro marido a impediria de continuar estudando, Prissy desistiu do casamento em pleno altar. Resultando em uma bela cena de libertação pessoal, um belo exemplo para as garotas mais jovens, e para meninas e mulheres do lado de cá da tela.

Vale apontar essa frase de tia Josefine:
"Tenho os seguintes pensamentos para oferecer, primeiro, você pode se casar a qualquer momento da sua vida, se você escolher por fazê-lo. E dois: se você escolher uma carreira, poderá comprar um vestido branco, encomendar e usá-lo sempre que quiser."
“I have the following thoughts to offer, first, you can get married any time in your life if you choose to do so. And two: if you choose a career, you can buy a white dress yourself, have it made to order, and wear it whenever you want.”—Aunt Josephine

5 - Descobrir os privilégios de ser mulher

Ok, nem todos os momentos são tão politicamente corretos. É em seu primeiro porre que AnnE persebeu que apesar de tudo, ama ser mulher. Quem nunca alcançou clareza em um momento inusitado que atire a primeira pedra. Além disso, é uma cena muito divertida!



6 - Vamos falar de menstruação?

Pois é 2020 e a gente ainda fala pouco disso. AnneE apontou que o ciclo menstrual não é vergonha nenhuma. E até abraçou sua TPM. #TodasSeIndentificam

Ok, não é só de "temas femininos" que vive esta série!

7 - Envolva-me e eu aprenderei

A importância de uma boa educação também é apontada. Bons métodos de ensino e aprender com os alunos, idéias muito modernas "para a época", são mais eficazes.

8 - Ler também é essencial

Todo mundo precisa e merece saber ler. E toda criança devia estar na escola. Jerry precisa trabalhar para ajudar a sustentar a família, por isso nunca foi a escola. É claro, AnnE, uma ávida leitora,  o ensina a ler. 


9- Liberdade de expressão é um direito humano!

Em tempo de fake news, desvalorização da imprensa e confusão sobre seus valores e papel na sociedade, a série mostra que os alunos de Avonlea sabem muito bem o valor que seu jornal escolar tem. E lutam para mantê-lo funcionando. 

10 - Sem preconceitos

De coração e mente abertos, AnnE e Gilbert não tem preconceitos e respeitam as diferenças. O rapaz dá o primeiro bom exemplo, ao não julgar a protagonista por ser vindo de um orfanato, diferente de seus colegas de classe:

"Porque eu ligaria de onde ela veio? Uma garota bonita é uma garota bonita.
“Why do I care where she’s from? A cute girl is a cute girl.”—Gilbert Blythe
A onda de bom exemplo continua quando o rapaz faz amizade com Bash. AnnE fica empolgada em conhecer uma pessoa de etinia diferente, de um país diferente. Marilla e Mathew superam a surpresa e recebem bem o novo morador de Avonlea.

Depois é a vez de AnnE fazer amizade com Ka'Kwet, passando por cina do preconceito da comunidade com os nativos canadenses.

11 - Ser verdadeiro consigo mesmo

Ainda sociedade exige tanto da gente, "seja assim, seja assado". A pequena Minnie May aponta de forma honesta e inocente de que não adianta mentir para se encaixar no que esperam de você. Não está ajudando ninguém e prejudicando a si mesmo.  

12 - Cole, identidade e amor

Uma das tramas mais tocantes é a de Cole, que se descobre diferente dos outros garotos. Sem nunca usar o termo homossexualidade, a série aborda a dificuldade de compreender sua identidade na adolescência, com o agravante desta identidade ser crime na época.

AnnE compreende e aceita Cole antes mesmo ele próprio o faça. O apoio dela é essencial, mas o adolescente ainda enfrentas muitas dificuldades antes de entender e aceitar a si mesmo.Enquanto Tia Josefine, mostra que o amor verdadeiro e duradouro existe em todas formas, e não há nada de errado nisso.


Estes são 12 dos muitos momentos que Anne esteve um século (ou mais) a frente do momento em que vive. O seu favorito está na lista? Lembrou de algum outro? Quer exaltar a série de outras maneiras? Comente aí.

Leia mais sobre AnnE with an E:
Informações úteis para sua maratona de AnnE with an "E";
Crítica da primeira temporada;
Crítica da segunda temporada;
Crítica da terceira temporada.

Nenhum comentário:

Post Top Ad