segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Anne with an "E"

Descobri três coisas ao decidir assistir tardiamente Anne with an E da Netflix neste feriadão. Primeira, a história se passa no Canadá. Segunda, eu não sei muita coisa sobre o Canadá. E finalmente, não devia ter demorado tanto para assistir a produção. Baseado no romance Anne of Green Gables, de 1908 da canadense L. M. Montgomery, a série narra as aventuras da órfã otimista Anne Shirley (Amybeth McNulty).

O casal de irmãos em idade avançada Marilla e Mathew Cuthbert decidem adotar um menino para ajuda-los com os afazeres de sua fazenda Green Gables. Mas um mal entendido faz com que uma menina seja enviada do orfanato para sua casa. Diante da figura feliz e empolgada com a nova vida Mathew (R. H. Thomson) não tem coragem de esclarecer o engano e resolve levar a menina para casa, para que a irmã (Geraldine James) decida como resolver o problema. Começa aí a saga de Anne para convencer o casal a ficar com ela, encontrar seu lugar na comunidade de Avonlea e quem sabe superar os traumas de uma infância difícil.

Eu sei o que você deve estar pensando - porque também pensei isso -, esta é mais uma história de órfã otimista que supera as dificuldades e conquista a todos apesar de todas as circunstancias contrárias. E você não está errado. Entretanto esta versão opta por mostrar uma versão mais realista do universo em que a protagonista vive. Anne é otimista, sonhadora e a frente do seu tempo, é verdade, mas isso não necessariamente torna sua jornada mais fácil ou mesmo mágica.

Discriminada por ser de fora, por ser órfã, por ter trabalhado como criada (como se tivesse tido escolha), por ser ruiva e magricela, por ter conhecimentos e pensamentos diferentes. Anne precisa provar por que cada uma de suas características não são uma ameaça a sociedade a que pretende pertencer. Dessa forma o programa acaba abordando não apenas problemas que eram tabu na época como menstruação e adoção, como aqueles que são discussão apenas, ou ainda, hoje em dia, como igualdade de gênero, homossexualidade, auto-estima e bullying.

Os problemas são apresentados e resolvidos de forma episódica. Quase sempre com a protagonista encerrando um episódio com um problema ou condição que aparentemente vai ter aprender a conviver (a comunidade não a aceita por ser diferente), apenas para o episódio seguinte tudo ser resolvido (o fato de ser diferente, faz com que Anne salve a todos, e a comunidade a perdoa). O formato previsível diminui o impacto dos acontecimentos após alguns episódios, mas o desenvolvimento bem executado de cada problema compensa a falta de surpresa envolvendo o expectador na situação.

Também eficiente para manter o público interessado é o bem selecionado elenco principal. Carismática a pequena Amybeth McNulty, tem textos longos e complexos - Anne conhece as palavras mais difíceis e usa todas! E acertadamente mantém sua interpretação em um tom dramático - e as vezes até irritante - muito acima de todos os outros, evidenciando que ela não é apenas diferente, mas também mais sensível e intensa. Um sopro de vida naquela comunidade.

Já R. H. Thomson e Geraldine James surpreendem ao deixar transparecer aos poucos a verdadeira condição dos irmãos Cuthber, por trás das figuras do irmão calado e da irmã severa. Pessoas que perderam muitas oportunidades, e  que encontraram alguma alegria em seu cotidiano quando achavam que nada de diferente poderia acontecer com eles, e ao mesmo tempo enfrentam o momento mais frágil de suas vidas, a velhice.

A série tem sete episódios. O primeiro deles, em formato de filme, com 88 minutos, conta com uma fotografia mais rica e direção mais caprichada. A direção de arte mantém a qualidade da reconstrução de época durante toda a temporada. Os demais episódios tem 44 minutos cada.

Apesar da cara de produção infantil, Anne with an E é no mínimo uma produção para toda a família. Trtaz, inclusive alguns temas complexos demais para os pequenos. A primeira temporada termina com um grande gancho para o já confirmado segundo ano, além de já ter apresentado alguns temas ainda não completamente explorados. Uma agradável surpresa no catálogo da Netflix.

Anne with an E foi ao ar originalmente pelo canal canadense CBC e tem distribuição mundial pela Netflix. A segunda temporada terá 10 episódios deve chegar em 2018.
Compartilhe este post
  • 0Blogger Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment
comments powered by Disqus
 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top