As Melhores Babás do Cinema - Ah! E por falar nisso...

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

As Melhores Babás do Cinema

Mary Poppins está de volta aos cinemas com seu métodos educacionais mágicos. A britânica é sem dúvida a babá mais icônica do cinema, mas ela não é a única boa cuidadora de crianças que podemos encontrar na sétima arte. Confira abaixo uma lista com as melhores profissionais do ramo já mostrada pelo cinema, cheque suas referências e escolha sua favorita!

Mary Poppins
Julie Andrews / Emily Blunt
(Mary Poppins - 1964 / O Retorno de Mary Poppins - Mary Poppins Returns - 2018)

Ela é ao mesmo tempo a mais antiga e mais recente de nossa lista, pois nada é simples no universo mágico da babá britânica. Mary nasceu nos livros de P. L. Travers, lançados entre 1934 e 1988, e chegou aos cinemas pela primeira vez nos anos 60 após duas décadas de negociação entre Walt Disney e a autora. E embora tenha se tornado um sucesso, a produção foi conturbada e desagradou a autora. O filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks - 2013), traz uma versão romanceada da produção, estrelada por Tom Hanks e Emma Thompson.


Nos cinemas, Mary chega quando é necessária, com datas curiosas para ir embora previamente estipuladas, como "quando o vento mudar" ou "quando a porta abrir". Ela nunca traz referências e nem explica nada. Sim, ela soa meio arrogante e atrevida, mas o trabalho justifica essa fachada atípica. Seus métodos educacionais incluem atos inimagináveis como entrar em ilustrações, organização de quartos em um estalar de dedos, mergulho em banheiras, chás flutuantes e muita música. Seus serviços não atendem apenas as crianças. De fato, são os pais quem tem o maior aprendizado.

Os dois filmes da Disney estrelados por ela pertencem ao mesmo universo, mas tem intérpretes distintas. Enquanto Julie Andrews imortalizou sua figura altiva. Emily Blunt a atualizou, tornando a moça ainda mais atrevida. As duas versões são ao mesmo tempo diferentes e parecidas.

Maria
Julie Andrews
(A Noviça Rebelde - The Sound of Music - 1965)

Maria é uma noviça de espírito livre, vive fugindo do convento para cantar à plenos pulmões em belas colinas, dando trabalho para suas superioras. Quando o Capitão Georg von Trapp precisa de ajuda para cuidar de seus sete filhos, as freiras não hesitam em enviar a animada noviça. Aos poucos a moça conquista as rebeldes crianças, traz vida de volta à mansão e se apaixona pelo chefe da família. Tudo isso, claro, com muito canto e dança.

A família Von Trapp existiu de verdade, e em 1949, Maria lançou o livro The Story of the Trapp Family Singers para ajudar a promover a família de cantores. A jornada da noviça desde o convento até a saída da Austria, fugindo do Nazismo é real. Antes da versão que conhecemos o livro ganho uma versão e sequencias produzidos na Alemanha ocidental e uma versão americana para os palcos. Mas foi a versão estrelada por Andres - sim, ela novamente! - é a que imortalizou a história da família para o mundo com suas icônicas canções.

Sra. Doubtfire
Robin Williams
(Uma Babá Quase Perfeita - Mrs. Doubtfire 1993)

Sra. Euphegenia Doubtfire é uma senhorinha adorável, meio desajeitada e atrapalhada, com sotaque engraçado e hábitos peculiares. Secretamente, ela também é Daniel Hillard um pai meio crianção, que após o divórcio se recusa a ficar longe de seus três filhos. O ator se disfarça e se candidata à vaga de babá das crianças. Humor de situação, e problemas com sua dupla identidade, permeiam a jornada de amadurecimento reconciliação. A Sra. Doubtfire pode não ser a mais eficiente das candidatas, mas é uma das mais divertidas.

Robin Williams passava mais de quatro horas na maquiagem para se tornar a personagem criada por Anne Fine. Seu livro Alias Madame Doubtfire foi lançado pela primeira vez em 1987.

Corina Washington
Whoopi Goldberg
(Corina, uma Babá Perfeita - Corrina, Corrina - 1994)

Corina na verdade quer escrever críticas de músicas como profissão, mas já que é uma mulher negra nos estados unidos no final da década de 1950, não consegue encontrar trabalho. É assim que ela vai parar na casa dos Singer, uma família que acaba de perder a mãe. O primeiro desafio é criar um vínculo com Molly, que deixou de falar com a perda. Ela faz isso com métodos criativos, que parecem até mágico quando se tem apenas sete anos.

Outro desafio que esta babá enfrenta, é o preconceito que fica ainda mais evidente quando começa a desenvolver um relacionamento com Manny, pai da menina. Ela é provavelmente a profissional menos disponível desta lista. Ela quer fazer críticas lembra? Mas vale uma olhada apenas pela mensagem discurso importante e pelo carisma de Whoopi.

Ole Golly
Rosie O'Donnell
(A Pequena EspiãHarriet the Spy - 1996)

Talvez você não se lembre de Golly, mas seus métodos eficientes, e aplicáveis no mundo real, garantiram seu lugar na lista. A babá da espiã mirim Harriet, a profissional sempre estimulou sua protegida a ser uma escritora melhor. Também era muito contundente, eficiente e realista em seus conselhos. Ela também conhece as fases de desenvolvimento dos pequenos e se afasta quando a menina deixa de precisar dela, em uma cena de cortar o coração.

Golly é uma criação de Louise Fitzhugh, que lançou o livro Harriet the Spy em 1964. As aventuras da meninas já tiveram várias sequencias e diversas adaptações.

Didi
Renato Aragão
(O Noviço Rebelde - 1997)

Pois toda lista precisa de ao menos um representante nacional, e Didi Mocó Sonrizal Colesterol Novalgino Mufumbbo já fez de tudo um pouco. Nesta comédia juvenil que faz paródia de A Noviça Rebelde, Didi é um sacristão em um pequeno vilarejo no Ceará, que perseguido por um fazendeiro da região foge para o Rio de Janeiro. Na cidade maravilhosa ele consegue o emprego de babá dos cinco filhos do Dr. Felipe.

Este é o tipo de profissional que ajuda as crianças a serem mais independentes, já que apronta muito mais que a molecada, que precisa ajudá-lo a desfazer as confusões. Mas ele também estimula as crianças a seguir seus sonhos, mesmo que tenham que quebrar algumas regras para isso. Ah! Essa é também uma das poucas vezes que o personagem não termina a aventura sozinho.

Babá McPhee
Emma Thompson
(Nanny McPhee, a Babá Encantada - Nanny McPhee - 2005 / Nanny McPhee e as Lições Mágicas - Nanny McPhee and the Big Bang - 2010)

Outra babá britânica de habitos curiosos. McPhee vem quando precisam dela, mas não a querer. E vai embora quando a querem, mas não precisam mais dela. Inicialmente é sempre rejeitada pelas crianças, mas conforme os protegidos aprendem suas lições, ela passa a ficar mais agradável aos seus olhos, figurativa e literalmente. A profissional muda de aparência ao longo de sua estadia. Não se assusta com famílias grandes, nem com crianças rebeldes, e costuma ajudar os pais por tabela.

Criada por Christianna Brand, é protagonista de três livros, Nurse Matilda (1964), Nurse Matilda Goes to Town (1967) e Nurse Matilda Goes to Hospital (1974). Seu nome foi alterado para a versão para os cinemas. Nurse, sinônimo de babá não é muito utilizado atualmente, enquanto Matilda já é o nome de outra obra infantil, por isso foi trocado por McPhee.


McPhee traz muitas semelhanças com sua conterrânea mais velha, Mary Poppins. Além de definirem seu próprio tempo de trabalho, ambas usam magia para educar pais e filhos, e trem uma silhueta icônica. Emma Thompson foi sua intérprete nos dois filmes. Ela também é a roteirista, e a pessoa que apresentou a ideia de adapta o livro para o estúdio.

Annie Braddock
Scarlett Johansson
(Diário de uma Babá - The Nanny Diaries - 2007)

Annie é a primeira babá antropóloga. Aceita o emprego de cuidar de Grayer, uma criança do Upper East Side, quando não consegue o trabalho desejado após sair da faculdade. Enquanto cuida do menino, ela tenta compreender antropologicamente a sociedade do bairro mais elitista de Manhattan. É claro, nesse processo ela acaba se apegando às pessoas e até arranja um super-pretendente.

O roteiro é inspirado no livro de Emma McLaughlin e Nicola Kraus, Diários de Nanny que satirizam a classe alta de Manhattan. O filme não deixa de fazer referência à mais icônica das babás. A canção vencedora de um Oscar Chim, Chim, Cher-ee,, de Mary Poppins pode ser ouvida durante a produção, e sombrinhas - o meio de transporte da babá mágica - é um ícone recorrente no filme.

E aí, conhecia todas estas profissionais e seus filmes? Qual destas babás você contrataria? Esqueci sua babá favorita? Deixe o currículo dela aí nos comentários. 

Confira mais listas da cultura pop, e leia a crítica de O Retorno de Mary Poppins

Nenhum comentário:

Post Top Ad