DC's Legends of Tomorrow - 5ª temporada

 Admito, abandonei as séries de heróis do Arrowverse depois que sua exibidora brasileira, a Warner Channel, as colocou em horários impraticáveis. Também não pretendia escrever mais sobre elas, mesmo acompanhando as temporadas mais tarde na Netflix. Entretanto, preciso fazer uma exceção para DC's Legends of Tomorrow, a série mais criativa, ousada e divertida do universo televisivo da DC. Ao ponto que se comparada às primeiras, e sombrias, temporadas de Arrow, nem parecem pertencer ao mesmo universo. E isso é excelente!



Em seu quinto ano, e mais livre do que nunca, o desafio dos super-heróis viajantes do tempo são os "encores", ou repetecos. Vilões de diferentes épocas trazido de volta à vida, em diferentes épocas, por Astra (Olivia Swann) como vingança contra Constantine (Matt Ryan), que falhou com a moça no passado. 


Vilões à solta pela linha do tempo. Sim, o argumento é bastante parecido com as anomalias temporais que a equipe enfrentou em temporadas anteriores. Isso porque o desafio é só um pretexto para jogar os personagens em aventuras para trabalhar seus dilemas pessoais das formas mais inusitadas possíveis.

 

Entre estes arcos, o que mais se destaca é o de Zari (Tala Ashe) que teve sua vida, experiências e consequentemente personalidade alteradas pela alteração na linha do tempo no clímax do quarto ano. Tanto a moça quanto a equipe não fazem ideia de que ela fora uma Lenda, e seu irmão, agora vivo ocupa o cargo que era seu. 



Constantine tem que lidar com a culpa por ter falhado com Astra, e claro a tentativa constante de corrigir o erro. Rory (Dominic Purcell), que agora só participa das missões "quando tem vontade", ganha novas responsabilidades. Enquanto Ray (Brandon Routh) e Nora (Courtney Ford) partem para uma nova fase da vida. Mas é a verdadeira natureza da suposta metamorfa Charlie (Maisie Richardson-Sellers), que traz os grandes vilões da temporada. 


Ampliando uma prática da temporada anterior,  formato e linguagem que mudam constantemente de acordo com o desafio e época em que cada episódio se passa. A série passa pelo terror, comédia, distopia, drama de época e até falso documentário, com facilidade sem perder a coerência. Some aqui referências escancaradas à outras produções e ícones da cultura pop, que vão de filmes slasher dos anos 1980 à Friends, passando Mr. Rogers e Supernatural



Nada disso funcionaria no entanto, se os personagens e intérpretes não embarcassem na proposta louca. O que a equipe consegue com eficiência, sem cair na caricatura. Mesmo Constantine pertencente à um universo mais sombrio consegue encontrar um equilíbrio entre sua personalidade peculiar e a comédia. Enquanto a sisuda Canário Branco ganha mais leveza com a presença de Ava. Tala Ashe intérprete de Zari, é quem mais se diverte com a possibilidade de criar diferentes versões da mesma pessoa. 


DC's Legends of Tomorrow é também a produção com menos episódios do Arrowverse, esta temporada tem apenas quinze. Tornando a trama principal mais ágil e deixando um gostinho de quero mais, além do obrigatório gancho para o sexto ano, já em produção, mas atrasado pela pandemia.



O quinto ano DC's Legends of Tomorrow continua entregando o que funcionou nas temporadas mais recentes, liberdade, criatividade, uma certa dose de loucura, e uma total falta de vergonha de soar brega, ou apresentar efeitos dignos do orçamento de uma série de TV. É leve, carismática e divertida, como o universo de super-heróis nunca deve esquecer de ser. 


DC's Legends of Tomorrow é exibida no Brasil pela Warner Channel, e todas as temporadas estão disponíveis na Netflix.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.