sexta-feira, 11 de maio de 2018

Tudo que Quero

Aparentemente, tudo que Wendy (Dakota Fanning) quer é a oportunidade de dar vida aos personagens que povoam sua imaginação. Abaixo da superfície, esta jovem portadora de autismo quer dar um passo à frente, provar que é capaz de mais do que esperam dela. Não que esta busca seja consciente por parte da protagonista.

Desde que sua irmã se descobriu grávida, Wendy vive sob a supervisão de Scottie (Toni Collette), responsável por uma casa dedicada à pessoas com algum tipo de deficiência intelectual. A rotina regrada é o que à mantém "funcionando" em sociedade. Entre seu nada divertido trabalho na lanchonete Cinnabon, e as tarefas do dia-a-dia, a moça também tem um tempo reservado para suas paixões, a escrita e o seriado Star Trek. Quando um concurso de roteiro para a série aparece a jovem logo produz sua própria aventura de Kirk e Spock. Ao descobrir que o texto não chegaria à tempo via correios na Paramount Pictures, Wendy decide levar seu trabalho pessoalmente.

Scottie, a irmã Audrey (Alice Eve) também precisam lidar com a fuga da jovem. Além de encontrar a irmã, esta última precisa superar a saudade, e a culpa por não ser mais sua tutora. Já a cuidadora, acaba por conviver mais com seu filho adolescente, que por vezes recebe menos atenção da mãe, já que é capaz de se cuidar sozinho.

Entretanto, a grande jornada é mesmo a de Wendy. A moça encara a insegurança de sair de sua rotina segura, precisa lidar com suas limitações de compreensão e relacionamento, em um mundo de pessoas que não percebe, entendem, ou se importam, com suas dificuldades. E aqui está o grande acerto do longa, tratar sua protagonista como qualquer outro personagem principal. Afinal todos eles tem suas dificuldades e desafios, os de Wendy, por acaso são atrelados à sua condição, sem que a narrativa a torne uma vítima ou caricatura. De fato, o filme sequer menciona, o tipo de deficiência que a moça carrega. Isso não é importante, Wendy é uma jovem com anseios, medos e desafios como qualquer outra, e isto basta para motivar uma jornada de crescimento e auto descoberta.

Também cabe às atuações, não transformar a moça, ou qualquer um que o cerca em estereótipos e o elenco se sai muito bem na tarefa. Scoottie e Audrey, são mulheres fortes e determinadas, mas também são extremamente humanas e sensíveis, esta gama de sentimentos está é bem determinada pelas atuações de Collete e Eve. Já Fanning apresenta os trejeitos, e "sintomas" de sua personagem sem pesar a mão. O comportamento metódico, as crises de ansiedade, os ataques de raiva, a dificuldade de contato visual, entre outros comportamentos a que a personagem está presa, estão lá para que os percebamos sem que estes sejam explicados verbalmente, mas nunca de forma exagerada ou forçada. Ao ponto de os personagens com quem ela cruza em sua jornada, nem sempre os perceberem.

Fotografia e trilha sonora, não se destacam, mas são eficientes ao criar um mundo realista e relativamente otimista. Já direção de arte serve bem à narrativa, ao logo no ínicio cercar Wendy dos recursos que precisa, para que estes sejam perdidos ao longo da trama. Do conforto sistemático de seu quarto, às cordinhas onde ela carrega seus objetos mais necessários, tudo tem sua função na vida da jovem.

O que também tem função bem clara é a afinidade da protagonista com a série Star Trek. Assim como Spock, a moça tem dificuldades de compreender e lidar com sentimentos. O paralelo com o Vulcano, permeia segue por toda a trama, e recompensa o espectador, quando este percebe o quanto a relação da moça com personagem a ajuda a compreender nosso mundo.

Tudo que Quero é um drama sensível e bem construído, sobre uma jovem com dificuldades, como qualquer outra. Acerta ao não vitimizar, subestimar sua protagonista, ou tentar de arrancar lágrimas da platéia, práticas constantes em produções que abordam doenças e condições especiais. De forma doce, carismática e nunca piegas ou apelativa, o filme alcança seu objetivo: nos fazer preocupar, torcer e acompanhar Wendy, quando estaa decide explorar novos mundos, audaciosamente indo onde jamais esteve.

Tudo que Quero (Please Stand By)
2018 - EUA - 93min
Drama
Compartilhe este post
  • 0Blogger Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment
comments powered by Disqus
 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top