A Caminho da Lua


Uma tradicional e popular lenda chinesa, uma protagonista forte, uma jornada de amadurecimento e um visual deslumbrante. Aparentemente A Caminho da Lua tem tudo que é preciso para se tornar um clássico da animação. A produção chega perto, mas é impedida por alguns pontos fracos. 

Fei Fei (Cathy Ang) tem medo de a memória de sua mãe seja esquecida, quando seu pai começa a namorar novamente. Por isso, decide provar que a lenda favorita de sua mãe é verdadeira e construindo um foguete para conhecer Chang'e (Phillipa Soo) a deusa que mora na lua. 


É uma bela animação tradicional (em 2D), que sedimenta as bases da história. O amor interrompido de Chang'e reflete tanto na história dos pais de Fei Fei, quanto no sentimento de perda da garota. Trata-se de uma história de separação, luto e da conexão eterna com aqueles que já se foram. Entretanto, a mensagem é abafada pelos recursos usados para tornar a animação mais acessível aos pequenos. 

Apesar de deslumbrante, e visualmente apelativo, o mundo escondido no lado escuro da lua existe apenas para inchar a história de personagens secundários, que nem sempre colaboram com o desenvolvimento da trama. Sem uma boa construção de mundo, ou funções eficientes, a leveza que estes personagens trazem não compensam o tempo desperdiçado com eles.

A literalidade das canções é outro ponto fraco da produção. As letras em geral enumeram ações, ou repetem decisões e sentimentos, com pouca sutileza ou poesia, por vezes interrompem a trama para acontecer. Alguma sensação é de estarem presentes para atender à uma fórmula, e não para acrescentar nuances à narrativa.

Fei Fei é um dos acertos da produção. Os conflitos da adolescente, são realistas e fáceis de se relacionar, mesmo que a produção não os trate de forma complexa. Visualmente bem construída, a personagem é inteligente, divertida, imaginativa e carismática, um belo exemplo para sua jovem audiência. 

E por falar no visual, este sim é o grande ponto forte de A Caminho da Lua. A animação é visualmente deslumbrante, misturando bem o visual tradicional e realista de um bairro chinês, o brilhante neon de Lunária, e até poeticas inserções de animação tradicional. É complexo, bem construído, bem animado e, acima de tudo, lindo de se ver.

Representatividade é outro fator a favor da animação da Netflix. Acompanhamos uma família chinesa, conhecemos um pouco de sua cultura, e até somos apresentados à uma popular lenda chinesa (Chang'e é uma lenda verdadeira, embora o desenho tenha tomado algumas licenças poéticas com relação à ela). É uma voz e visibilidade muito vem vinda na indústria povoada de jovens brancos ocidentais. E este é provavelmente o maior mérito da produção.

A Caminho da Lua traz um bom argumento e uma produção bem feita. Mas não consegue encontrar o equilíbrio entre o apelo para os pequenos, e a profundidade potencial de sua história. Os pequenos vão amar as cores e os personagens divertidos, a trama de superação do luto deve fisgar alguns, para outros é apenas mais uma história de uma garota tentando lidar com as mudanças inevitáveis da vida, que poderia trazer muito mais. Entretanto, construir um foguete para a Lua no início da adolescência talvez seja mais que suficiente.

A Caminho da Lua (Over the Moon)
2020 - EUA/ China - 95min
Animação, Aventura, Musical

A Caminho da Lua A Caminho da Lua Reviewed by Fabiane Bastos on terça-feira, novembro 10, 2020 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.