Crise nas Infinitas Terras - Ah! E por falar nisso...

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Crise nas Infinitas Terras

Após três edições de crossovers completos (e um musical apenas com a supermoça e o velocista), os fãs da DC e do Arrowverse sabem bem o que esperar destes encontros anuais. Uma profusão de personagens, vários deles com uniformes coloridos, vilões megalomaníacos, atores vivendo mais de um personagem, participações especiais, transmissão ruim e atrasada da Warner Channel Brasil, vai-e-vem de personagens, e muitas, muitas referencias. Entretanto Crise nas Infinitas Terras tinha uma carga extra, já que além de super anunciado (a semente foi plantada no crossover anterior em 2018)  adapta a HQ de mesmo nome de 1985, que foi o primeiro grande retcon da DC Comics.

Pausa aqui para explicar: continuidade retroativa, ou retcon, acontece quando uma obra de ficção altera fatos previamente estabelecidos da história para acomodar melhor aventuras futuras. A mudança pode aparecer sem alarde, apenas acionando uma informação extra, mas Crise nas Infinitas Terras, tanto nas páginas, quanto sua adaptação nas telas, usa a aventura inteira para fazer as mudanças que precisa. Organizar e localizar o multiverso, seus vários personagens, incluindo os doppelgängers, está entre as tarefas deste especial de cinco partes.

Encerrar a "Era dos Heróis", converter os infinitos universos de matéria em universos de anti-matéria, destruir o multiverso da sua versão positiva, o Monitor (LaMonica Garrett). Admito, não ficam muito claros os objetivos do vilão da vez, o Antimonitor (também LaMonica Garrett), para quem não conhece a versão dos quadrinhos. Mas tudo bem, o importante a série deixa bem claro, todos os universos estão sendo extintos, um por um.

A correria começa no episódio de Supergirl (Melissa Benoist), que corre para salvar as pessoas da Terra 38, e apresenta a crise para os "maiores heróis do dos mundos. O grupo reunido à mando do Monitor pela Precursora na pele de Lyla (Audrey Marie Anderson), conta com Supergirl, Flash (Grant Gustin), Arqueiro Verde (Stephen Amell), Batwoman (Rubi Rose), Canário Branco (Caity Lotz), Átomo (Brandon Routh) e Superman (Tyler Hoechlin, sempre com a Lois de Elizabeth Tulloch à tira colo).

Em Batwoman o grupo recebe alguns de seus coadjuvantes, e se divide para encontrar participações especiais as pessoas destinadas a derrotar o vilão, nos universos sobreviventes, antes que sejam exterminados. A parte três é no episódio de The Flash, os heróis continuam a buscar os escolhidos, compreender a ameaça e seus papéis no conflito.

O episódio de Arrow, descobrimos a origem do empasse entre Monitor e Antimonitor e revisitamos momentos marcantes das séries anteriores (eita, quem lembrou de Vingadores Ultimato? Embora não haja missão para os heróis da DC nessas visitas), antes da grande batalha, que vai redefenir o universo. O desfecho fica por conta de DC's Legends of Tomorrow embora a participação da maioria de seus personagens seja minúscula em todo o crossover. Os heróis precisam compreender o novo multiverso, resolver os últimos empasses com o vilão.

Ufa, é muita sinopse! Também muito vai-e-vem entre mundos e muitos personagens para dar conta. O que torna praticamente impossível evitar o já comum desaparecimento de coadjuvantes no crossover. De fato, este especial é aquele que tem ausências mais gritantes e mal explicadas. Desde a pouca participação das Lendas, explicado com o nonsense "prometi que meus colegas não precisavam aparecer em crossovers", dito por Sarah. Até o sumiço de Cisco (Carlos Valdes), quando todos os gênios se reúnem para fazer coisas inteligentes no episódio final. Além de Supergirl, Flash, Arqueiro Verde, Batwoman, Canário Branco, e Superman os únicos de quem não perdemos o paradeiro completamente, são J'onn J'onzz (David Harewood), Lois e Lex (Jon Cryer).

Já as super alardeadas participações especiais variam entre, imagens de arquivo como as de séries da DC fora da CW, como Titãs. Aparições "piscou-perdeu" como dos veteranos Robert Whul e Burt Ward (Alexander Knox no Batman de 1989 e o Robin da série clássica respectivamente). Ou participações mais elaboradas como as de Kevin Conroy (voz do Batman em várias animações), Tom Ellis (como Lúcifer) e Cress Williams (Raio Negro), que tem função direta, ainda que pequena, na trama.

Ficam a cargo do homem de aço a melhor e a pior participações especiais deste recheado crossover. A aparição de Tom Welling (o Clark de Smallville) e sua Lois (Erica Durance), não tem função alguma a não ser o puro fã-service. É o retorno de Brandon Routh ao personagem que viveu no cinema, o mais acertado com um espaço maior e toda e uma visível empolgação por parte do seu intérprete. Quem liga para as críticas Routh, adora ser o Superman, e dá gosto ver isso. Vale lembrar que o ator faz parte do elenco fixo de DC's Legends. Logo, ele fez uma participação especial em uma programa em que é recorrente. Sim, é louco, mas é aí que está a graça!

Afinal uma aventura não pode ser composta apenas de aparições, referências e fan-service, precisa ter um roteiro bem escrito que encaixe tudo isso em uma história convincente. O roteiro de Crise nas Infinitas Terras é bastante confuso, ora inchado, ora apressado, na tentativa de equilibrar tanta gente em cena, e tantos detalhes para apresentar. Mas consegue manter uma linha de raciocínio coerente, e contorna os problemas com o carisma e apego que temos aos personagens. Além de abraçar a galhofa.

As séries sabem que são exageradas coloridas, com tramas rocambolescas, vilões caricatos, orçamento limitado e não tem vergonha disso. Abraça os uniformes nada práticos, os monstros de CGI e até a economia de cenários. O absurdo é incorporado, seja com humor seja com um atuação carismática, ou pieguice assumida.

Crise nas Infinitas Terras pode até não ser o crossover com melhor roteiro, ou com a maior batalha do Arrowverse, mas certamente é seu "superencontro" mais ambicioso. É realmente divertido, reorganiza o Arrowverse, prepara a despedida de Stephen Amell e aponta novos rumos para as séries. Entretanto, seu mérito mais interessante (ou devo dizer divertido), é de unir todos as produções para as telas da DC.

O multiverso vai muito além das séries da CW, abraça as séries antigas, as de outros canais, dos serviços de streaming e até o cinema (se contarem o Will Weaton e o Osric Chau, eu até colocaria The Big Bang Theory e Supernatural na conta - calma é brincadeira!). Não significa que estes mundos e seus habitantes ilustres vão interagir o tempo todo, mas é reconfortante saber que todas as versões são "a verdadeira", e convivem em harmonia. Então escolha seu Flash, Superman, ou Batman favorito, e seja feliz. Tem para todos os gostos.

Crise nas Infinitas Terras foi exibido ao long de dois domingos na Warner Channel brasil. Atualmente a série também exibe Arrow, The Flash, Supergirl, E DC's Legend of Tomorrow (clique nos títulos para ler mais sobre as séries). Leia também sobre os outros crossovers do Arrowverse: , Invasion!, Duet, Crisis on Earth-X e Elseworlds.

Nenhum comentário:

Post Top Ad