Jumanji: Próxima Fase - Ah! E por falar nisso...

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Jumanji: Próxima Fase

Foi um adorável surpresa quando Jumanji: Bem-Vindo à Selva chegou em 2017, atualizando de forma eficiente, divertida e respeitosa a produção estrelada por Robin Williams em 1995. Não tão surpreendente, foi a chegada de uma obrigatória sequencia. Jumanji: Próxima Fase traz de volta o elenco encabeçado por Dwayne Johnson, e mais uma vez atualiza e expande o jogo título.

Saudoso da sensação de ser um forte protagonista, Spencer (Alex Wolff) decide consertar o video-game de Jumanji e se perde lá dentro. Seus parceiros da aventura anterior Martha, Bethany e Fridge (Morgan Turner, Madison Iseman e Ser'Darius Blain), vão ao seu resgate, mas com o jogo quebrado tudo pode acontecer. A abdução do avô de Spencer, Eddie e seu amigo Milo (Danny DeVito e Danny Glover), a impossibilidade de selecionar os avatares, e a mudança de cenário transformam completamente a aventura estrelada por Smolder Bravestone (Dwayne Johnson), Moose Finbar (Kevin Hart), Shelly Oberon (Jack Black), Ruby Roundhouse (Karen Gillan) e Jefferson 'Seaplane' McDonough (Nick Jonas).

Achou que tem muitos personagens na sinopse acima? Isso porque a lista de aventureiros de Jumanji: Próxima Fase realmente cresceu. E olha que nem mencionei a personagem de Awkwafina, o novo vilão vivido por Rory McCann e mais algumas participações especiais "surpresa". O cenário também se expandiu, abandonando a selva e levando a aventura para novas paisagens típicas de filmes e games aventurescos, deserto, montanhas, desfiladeiros. A intenção é trazer novos desafios e dinâmica para os personagens/jogadores, e uma jornada inédita para os espectadores. Estratégia que funciona na maioria das situações, mas não escapa de um eventual escorregão.

Entre os acertos está a adição de DeVito e Glover, promovendo a mudança nos avatares e promovendo novos desafios para o elenco da "versão digital" dos personagens, que precisam emular personalidade e trejeitos de personagens completamente diferentes da produção anterior. Kevin Hart é o que mais se beneficia com a influencia dos veteranos do elenco, abandonando sua persona explosiva e exagerada que não funcionava na primeira aventura, por uma personificação eficiente de Glover. Mas não supera a dedicação da surpreendente Awkwafina, também adotando trejeitos, postura e até o tom de voz de personagens distintos.

Em contrapartida, Karen Gillan, Nick Jonas e Jack Black acabam perdendo espaço e brilho, por estarem em papéis sem grandes arcos e repetitivos. Nada que chegue a comprometer a aventura. Dwayne Johnson corre por fora, compensando seu pouco alcance dramático com o seu enorme carisma. Outro pouco aproveitado é Rory McCann (o Cão, Sandor Clegane de Game of Thrones), preso ao estereótipo de "enorme bárbaro" de um "NPC".

As mudanças atualizam bem a maioria das piadas, evitando que a produção exagere em piadas repetidas, como a "luta dançante". Embora uma ou outra soe de gosto duvidoso, como as piadas gordofóbicas com relação ao personagem do Jack Black e a participação de um certo cavalo. Há também certas conveniências de roteiro na solução dos desafios, mas estes são facilmente justificáveis pelas próprias conveniências típicas de um video-game, como habilidades e objetos que parece inúteis, até que um desafio estrategicamente criado para seu uso surja.

Já o crescimento dos personagens acaba simplificado pelo excesso de pessoas em cena. Os únicos arcos bem trabalhados, são os de Eddie e Mike. Spencer quase aprende uma lição (uma reviravolta na reta final, me faz crer que o rapaz talvez não tenha evoluído com a experiência), enquanto resolve seu fraco romance com Martha. Os demais personagens, apenas participam do jogo.

As novas paisagens e desafios, são empolgantes e bem construídos. Assim como as cenas de ação, que apesar de frenéticas, não soam confusas. Alguns animais em CGI soam menos realistas que outros, mas assim como no longa anterior, podem ser atribuídos ao fato de se tratar de um game de 1996, ou mesmo uma referência aos efeitos do Jumanji original. Embora esta produção use muito menos da nostalgia e ícones da produção dos anos 90.

Com mais personagens em cena, Jumanji: Próxima Fase, precisa escolher a quem dar holofotes, e isso tem um custo. A distribuição de espaço em cena é menos uniforme que em Bem-Vindo à Selva, e alguns personagem ficam em segundo plano. Apesar disso, a produção consegue manter o carisma dos personagens, além de expandir o universo, e encontrar novas piadas. Além de trazer indicações de mais uma possível sequencia, claro. Entregando assim, exatamente o que promete, uma comédia de aventura leve, despretensiosa e muito divertida.


Jumanji: Próxima Fase (Jumanji : The Next Level)

2019 - EUA - 124min

Comédia, Aventura



Nenhum comentário:

Post Top Ad