Megarrromântico - Ah! E por falar nisso...

sexta-feira, 8 de março de 2019

Megarrromântico

Que atire a a primeira pétala de rosa quem nunca se rendeu à uma comédia romântica, com sua atmosfera açucarada e ideais impossíveis de alcançar. Apesar de muitas vezes subestimado, o gênero tem seus prós e contras como qualquer outro na sétima arte. É com estas características, positivas ou não, que Megarrromântico pretende brincar.

Natalie (Rebel Wilson) é uma garota comum, fora dos "padrões de Hollywood", que vive em um mundo igualmente ordinário. Não é de se admirar que ela abomine o mundo irreal das comédias românticas. Também não é surpresa que nesta paródia um incidente vai fazê-la ficar presa no gênero que tanto odeia.

Antes de mais nada, o roteiro apresenta bem o mundo de Natalie, desde seu minúsculo apartamento, passando pela Nova York lotada cinzenta e suja, até o escritório bagunçado e nada atraente. A melhor amiga, Whitney (Betty Gilpin) é o contraponto da protagonista. Se perdendo constantemente nos romances de cinema, ela é a deixa acertada para a protagonista apontar os problemas e convenções do gênero que serão explorados ao longo do filme. É a boa ambientação do "mundo real" dentro do filme, que vai tornar ainda mais absurdo e cômico o mundo de sonho na qual a personagem fica presa, após um incidente bastante mundano, um assalto no metrô.


A partir daí, a produção divide o tempo entre as críticas e homenagens ao cinema, e as piadas criadas para explorar o talento cômico de Wilson. São as primeiras que funcionam, e fazem a produção da Netflix merecer atenção. 

As referências claras à clássicos do gênero, como O Casamento do Meu Melhor Amigo, são deliciosas para quem gosta destas produções. Mas não superam às piadas com os clichés de comédias românticas, como as coincidências convenientes ao roteiro, montagens para escolha de figurino e maquiagem, o melhor-amigo gay e até as cenas de sexo que pulam diretamente para a manhã seguinte. O humor aqui varia entre um tom mais crítico, quando aponta o absurdo da a incapacidade de amizade entre mulheres neste universo, quando de homenagens como as adorados números musicais sem motivo aparente.

É no desvio deste tipo de piadas, para dar espaço aos talentos Rebel Wilson, que o filme perde um pouco o fôlego. Quando a graça vem do estranhamento ou aborrecimento de Natalie, o roteiro acerta, mas quando estende demais a situação ou aposta em humor físico a qualidade cai. Nada que comprometa muito a diversão, mas que não evita a sensação de que gostaríamos de ver mais da paródia proposta pelo roteiro, e menos das firulas da protagonista.

O elenco de apoio cumpre seu papel. O destaque é para Gilpin, que oscila em personagens opostas nas duas versões de mundo da história. Priyanka Chopra convence como o modelo de mocinha inatingível. Liam Hemsworth, não tem tanto timming de comédia quanto o imão Chris (o Thor), mas entrega o que a história exige dele. O papel pode ser uma porta de entrada para o ator explorar mais o estilo. É apenas Adam Devine, quem soa travado como melhor amigo Josh. O comediante parece fazer sempre o mesmo personagem, o cara que se acha engraçado, mas na verdade é irritante que vemos desde A Escolha Perfeita.

A direção de arte, figurinos não reinventam a roda, mas são eficientes em apontar as diferenças entre os dois mundos. Completando o pacote de referências e homenagens à comédias românticas, em especial da década de 1990.

Megarrromântico é tanto uma exaltação, quanto uma crítica ao romances açucarados e irreais que tanto consumimos. Lembra que estes podem e devem ser atualizados, para fugir de estereótipos e ideais impossíveis. Mas quando não, também é possível consumi-los sem culpa, desde que estejamos cientes de sua artificialidade e não esperar um par romântico perfeito na próxima esquina.

Natalie ficou presa em uma comédia romântica para aprender como se divertir com elas. Nos levando juntos para rir de seus absurdos e curtir seus bons momentos. É um atestado da Netflix, de que podemos continuar a curtir nossos guilty-pleasures, sem vergonha alguma!

Megarrromântico (Isn't It Romantic)
2019 - EUA - 89min
Comédia Româmtica

Nenhum comentário:

Post Top Ad