sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Apóstolo

Uma dúvida fica na mente ao terminar de assistir o novo filme de terror da Netflix: afinal quem é o Apóstolo do título? A dúvida é reflexo da falta de foco do longa, que parece não ter decidido a história de quem pretende contar.

Oficialmente, acompanhamos Thomas Richardson (Dan Stevens, Legion, A Bela e a Fera), em sua viagem a uma ilha remota para resgatar sua irmã, que fora sequestrada por um culto religioso. Lá, descobrimos não apenas a corrupção naquele "modo de vida santo", que seu líder o Profeta Malcom (Michael Sheen, A Rainha) prega. E claro, uma entidade misteriosa que reside na região.

Sem grandes apresentações Apóstolo nos coloca direto na missão de salvar a moça sequestrada em troca de resgate, seguindo os passos de Thomas. Sabemos apenas que o protagonista sumira por tempo o suficiente para ser dado como morto, e chega bem à tempo de assumir a tarefa de resgate que o pai é incapaz de cumprir. A pouca informação à esta altura não é de fato um problema. Não são poucas as produções que aprofundam nosso conhecimento dos personagens conforme estes enfrentam desafios que os fazem relembrar suas motivações e enfrentar seus medos. Mas apóstolo não consegue se manter neste caminho.

Logo que começa a investigar o funcionamento da seita o filme parece perder interesse por seu então protagonista. Logo, seu ponto de vista é deixado de lado, para mostrar as histórias não apenas dos líderes da seita, mas também de alguns de seus moradores. O resultado é um vai-e-vem sem ritmo entre tramas paralelas, que mais cansa do que intriga, e não conta bem nenhuma dos arcos.

Terminamos com uma vaga ideia de como a comunidade se formou e funciona. Outra vaga ideia sobre a relação de hierarquia entre os fundadores do culto. Outra sobre como as pessoas são convencidas a participar, e as regras de que aceitam acatar. E ainda menos informação é dada sobre a entidade que veneram.

Antes da reta final, o filme lembra si de voltar ao seu protagonista original. Mas as explicações e falas, soam como discursos acalorados de novela mexicanas. Nada contra o folhetim de nossos irmãos, mas o estilo está longe de funcionar aqui. É provável que o tom piegas, seja resultado do fato que este é apenas o segundo trabalho em língua inglesa do diretor e roteirista Gareth Evans.

Mas e o terror? Como Apóstolo pretende assustar o espectador? Aparentemente isto também não foi bem definido. Iniciantemente apostando no mistério, o filme se transforma em algo muito mais brutal e visceral em sua reta final. Aparentemente a produção economiza na violência por mais da metade da projeção, apenas para mergulhar no gore em seus últimos minutos.

Stevens e Sheen, maiores destaques do elenco, bem que tentam. Mas é difícil fazer muito com estes personagens mal construídos e trama embolada. O mesmo vale para os aspectos técnicos, cujos bons momentos de composição e cenografia, ficam perdidos em meio a uma trama longa e confusa.

Uma seita religiosa em crise, um protagonista cheio de cicatrizes literais e metafóricas, rituais misteriosos, entidades à espreita, humanos ameaçadores, uma "deusa" a ser venerada, uma ilha com atividades sobrenaturais. Apóstolo tenta abordar um monte de assuntos, e acaba não contando nenhuma história completa. Longo e pouco surpreendente, causa mais nojo e desconforto do que medo. Ao invés de assutado, vai te deixar apenas com aquela já mencionada dúvida: quem é o tal Apóstolo afinal?

Apóstolo (Apostle)
EUA - 2018 - 130min
Terror

Compartilhe este post
  • 0Blogger Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment
comments powered by Disqus
 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top