segunda-feira, 9 de julho de 2018

Todo Dia

O que nos faz amar uma pessoa? Sua aparência? Cor da pele? Genero? Nenhuma dessas coisas, a maioria das pessoas provavelmente apontará, qualidades, caráter, personalidade, humor entre outras características, que em conjunto tornam a pessoa quem ela é. Alguns diriam, sua alma. É um romance entre almas que Todo Dia se propõe a apresentar.

"A" é uma alma que todos os dias desperta em um corpo diferente. Sem controle da situação, evita criar laços, já que não pode ficar além de um dia. Quando acorda no corpo de Justin (Justice Smith), e conhece sua namorada Rhiannon (Angourie Rice), encontra alguém por quem deseja descumprir a própria regra de nunca se apegar. A partir daí, acompanhamos um romance que precisa superar obstáculos bastante peculiares para existir,

Fazer a mocinha compreender e acreditar nas regras da existência de "A". A distância física imposta por acordar em um lugar novo a cada manhã. E não interferir, e consequentemente arruinar, a vida de seus hospedeiros, estão entre as muitas dificuldades enfrentadas pelo casal, e abordadas pelo roteiro. O mais interessante dos temas, no entanto, acaba perdendo peso diante de tantos outros obstáculos, a vontade de estabelecer uma vida juntos.

Ciente do potencial rentável de um romance que supera adversidades, o roteiro passeia com calma entre os vários estágios do romance. Quando a relação avança e os dilemas aumentam falta tempo para discutir e mostrar os efeitos das escolhas do casal na vida dos demais envolvidos. O caminho e temas são interessantes, mas a abordagem é rasa e apressada.

Tecnicamente, a produção não foge do tradicional do subgênero dos romances juvenis, com montagens românticas , paisagens bucólicas e trilha sonora pop. Não tem nenhum detalhe que lhes dê personalidade, ou diferencie de outras produções, mas é eficiente no que se propõe a fazer.

O mesmo vale para o elenco que entrega apenas o básico. Atuações pouco inspiradas que funcionam, e apenas isso. O que surpreende é como a produção consegue fazer a personagem de "A" funcionar. O protagonista é interpretado por uma dúzia de pessoas, e inevitavelmente acaba com algumas diferenças entre um interprete e outro, mas com repetições de hábitos e falas coesas, o roteiro consegue manter o diálogo contínuo. "A" soa como "A", por mais diferente que sejam seus interpretes, e eles são muitos. Isso nos leva ao que realmente chama atenção nesta produção.

Todo Dia assume a postura de defender o amor incondicional de forma confiante, ao ponto de não sentir necessidade de ser panfletário, se desculpar ou explicar. Rhiannon ama "A". Não importa como seu par se apresente, rapaz, moça, negro, asiática, andrógeno... É a alma, ou o que quer que seja que torna uma pessoa unica que conecta a dupla. Existe sim uma curiosidade em relação à mudança, e até insinuações de preferência, mas nunca há hesitação, preconceito ou vergonha. Uma escolha corajosa e admirável e coerente com as discussões atuais de nossa sociedade.


Outro bom detalhe que o filme não está preocupado em responder é acondição de "A". O filme mostra como sua existência funciona, mostra as consequencias desta condição e até sias regras: os hospedeiros tem sempre a mesma idade do personage, nunca se reptem, estão em um raio de distancia determinado e, não oficialmente, parecem ser sempre adolescentes de classe média, reside aqui outro contexto desperdiçado. Entretanto, o filme nunca para para explicar quem, ou quê, é "A", sua origem ou razão de existir. Como todo bom argumento de ficção, discute seus efeitos, não o fator em comum em si.

Baseado no romance homônimo de David Levithan, Todo Dia tem um argumento cheio de potencial. Mas limita a discussão ao patamar raso comum aos romances juvenis e com isso desperdiçam algumas boas ideias. Mas, consegue plantar a semente de várias discussões atuais pertinentes ao seu público alvo. Além de servi como porta de entrada para outras obras que estimulem a discussão. Não é o romance mais apaixonante que você pode encontrar, mas traz boas ideias e mensagens para se apegar.

Todo Dia (Every Day)
2018 - EUA - 97min
Drama, Romance

Compartilhe este post
  • 0Blogger Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment
comments powered by Disqus
 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top