quinta-feira, 1 de março de 2018

Operação Red Sparrow

Desde o final da Guerra Fria os filmes de espionagens que se passam nos tempos atuais precisam se desdobrar para justificar suas extensas comunidades de agentes secretos. Especialmente, se o foco for a supra-utilizada disputa é entre os Estados Unidos e a Rússia. Em Operação Red Sparrow nunca ficamos sabendo o que está em jogo no plano maior do empasse entre os dois países, mas não importa, pois o longa de pretende se diferenciar por outros meios Francis Lawrence.

Prima ballerina do Bolshoi, Dominika Egorova (Jennifer Lawrence) fica sem opções quando um incidente a impede de dançar. Sem opções, é manipulada para se tornar uma Sparrow, agentes especializadas em sedução e manipulação. Em sua primeira lição precisa manipular o agente da CIA Nathaniel Nash (Joel Edgerton), ao mesmo tempo que mantém seus próprios objetivos, escapar do sistema.

Então você pode pensar que faz todo sentido, uma bailarina profissional tem resistência física para aguentar o treinamento pesado de um super agente de campo. Mas, não se engane, este não é um filme de ação. Atuação é a única habilidade de sua carreira anterior que Egorova traz para a nova ocupação. E não a nada de errado em um filme optar pelo suspense e a tensão ao invés da ação. O que soa meio exagerado, é o excesso de fetiche envolvido, em contraste com uma trama lenta e cheia de rodeios.


Na tentativa de manter o expectador sempre em dúvida, quanto as intenções das personagens, o roteiro trabalha pouco suas personalidades, transformando em rasos personagens que deveriam ser misteriosos. Mesmo a protagonista, que recebe muita atenção parece se adaptar a tudo com facilidade, com quase nenhum medo ou conflitos internos. Após algumas reviravoltas, fica difícil, que uma novata, mesmo que prodígio na área, consiga enganar tão facilmente o governo, que teoricamente a vigia constantemente.

Enquanto isso, o complexo treinamento e posteriores cenas de manipulação através dos desejos carnais, parecem atender muito mais à imaginação do que ao roteiro propriamente dito. Basta reparar que montagem que demonstra a passagem de tempo durante o treinamento, corre durante as "matérias teóricas", dando atenção às passagens que envolvem nudez. Somando o excesso de fetiche, com o ritmo mais lento da narrativa, não demora muito para o expectador se perguntar quais daquelas sequencias eram realmente necessárias. Ou no mínimo, se precisavam ser tão longas.

As reviravoltas na trama, são interessantes, mas não chegam a ser uma grande novidade. É o básico de filmes do gênero, qualquer um pode mudar de time a qualquer momento. É durante a construção, lenta desta narrativa rocambolesca que cenas de ação, ou ao menos uma montagem mais dinâmica, se fazem necessário. O espectador não chega a dormir, mas provavelmente vai conferir o relógio algumas vezes.

Tecnicamente a produção é impecável, especialmente na bela sequencia inicial de balé. A fotografia vibrante e exuberante do mundo do balé, serve de base e contraponto para a vida cinzenta que Dominika enfrenta após deixar os palcos.

Já o elenco, que conta com o sempre eficiente Jeremy Irons, faz o que pode para trabalhar, estes personagens que confundem mistério com falta de personalidade. Lawrence e Edgerton tentam, mas a química entre os dois agentes não acontece. Já o destaque fica com Matthias Schoenaerts, eficiente em criar uma pessoa extremamente repugnante. E por falar nisso, a forma como os Russos em geral são retratados, pode não agradar seus conterrâneos da vida real. 

Diferente de Atômica, com Charlize Theron, que conseguia equilibrar excelentes sequencias de ação para amenizar seu fetichismo. Operação Red Sparrow não tem muitos recursos para justificar suas escolhas. Baseado no livro homônimo de Jason Matthews, poderia trabalhar melhor o desenrolar da trama, e criar um universo conciso para justificar uma franquia (vale lembrar, existem outros livros com a personagem). Entretanto parece focado em mostrar sua protagonista como uma super-agente prodígio dos sonhos de alguns marmanjos. Ao menos entrega o que promete, Jennifer Lawrence de um jeito (e ângulos) que você nunca viu.

Operação Red Sparrow (Red Sparrow)
EUA - 2017 - 149min
Suspense
Compartilhe este post
  • 0Blogger Comment
  • Facebook Comment
  • Disqus Comment
comments powered by Disqus
 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top